RELATÓRIO DO SINTECT-ES SOBRE O XI CONTECT

Nós delegados eleitos do Espírito Santo encaminhamos para toda base capixaba relatório do XI CONTECT, no nosso entender, alguns fatos  empobreceram o debate, como a ausência dos delegados de SPM, que não participaram de um congresso de tamanha importância e decisivo para toda categoria ecetistas. Outro ponto paradoxal foi o bloco CSP-Conlutas (PSTU), que mesmo anunciando que sairá da FENTECT votou e integrou o bloco de oposição “Por uma Fentect de Luta” formando assim um grupo com PCO, MRL/PT, Articulação de Esquerda – ASS/PT, MUTE/PT, Intersindical/PSOL e independentes.

Formando o bloco “Unidade na Luta”, ao qual fizemos parte, estavam ArtSind/PT, MSB/PT, MTC/PT, dissidentes da CTB/PC do B e independentes.

Anistia

A mesa que representou a Comissão de Anistia da FENTECT relatou os avanços que esses companheiros obtiveram no último período. O secretário de anistia, Emerson Marinho, junto com toda comissão pediu que os sindicatos intensificassem a luta pela reintegração dos trabalhadores, também foi acordado por todas as forças políticas a construção de mobilizações e atos que sejam realmente efetivos na luta da reintegração dos vários companheiros que tombaram nas lutas de nossa categoria.

PCCS

Ponto de consenso, várias foram as reclamações referentes ao PCCS/2008. Diversos encaminhamentos foram tirados na intenção de barrar o PCCS e garantir as perdas causadas por sua aplicação. A comissão explicou que não há acordo com a ECT, dessa forma devemos encampar e organizar nossa luta contra a aplicação do modelo que atualmente não condiz com as necessidades dos trabalhadores. A cada dia, diversos trabalhadores saem da ECT por não acreditarem em reconhecimento ou ascensão, da mesma forma que desmerece e retira direitos de todos os trabalhadores que permanecem nos quadros da empresa.

Campanha Salarial

Mesmo tendo a tese eleita, o bloco “Unidade na Luta” foi derrotado na construção da pauta de reivindicações. A proposta de nosso bloco era que os acordos coletivos anteriores servissem de base na campanha, fazendo assim uma pauta sólida, fundamentada e que trouxesse reais ganhos a nossa categoria, avançando no que já está garantido nas nossas lutas anteriores. Esse era um dos compromissos que os delegados eleitos do Espírito Santo tinham com a categoria capixaba. A pauta vencedora do bloco “Por uma FENTECT de Luta” é a reedição das pautas anteriores com algumas adições, como por exemplo, vale páscoa de R$300,00 (trezentos reais), entre outras propostas, o que não deixa de ser justo, mas que vai exigir bastante mobilização por parte dos sindicatos e da categoria. Nas cláusulas econômicas foi aprovado o reajuste de 43,7% + R$200,00 linear, salário base R$2.500,00, entre outros pontos. Foi encaminhado pelo SINTECT/ES, a proposta de distribuição feita pelo carteiro na parte da manhã, acreditamos que seja adicionado, já que outros estados também se manifestaram a favor. Outro ponto importante levado pelos companheiros da ArtSind/RJ, foi a atualização dos valores e do formato pago aos carteiros motorizados, onde baseado nos valores pagos em 1997 (data de criação da portaria), a gratificação hoje deveria ser  R$457,10 em todo território nacional. Todas as demais informações serão enviadas aos trabalhadores através de boletim fornecido pela própria FENTECT, como foi acordado entre as partes no XI CONTECT.

Estatuto da FENTECT

Algumas mudanças significativas foram obtidas na mudança estatutária da FENTECT. Houve a manutenção dos 3 (três) anos de mandato, defendida pela “Unidade na Luta”. O formato do comando de negociações sofreu mudanças, agora o comando será formado por 6 (seis) membros da FENTECT e mais um representante de cada sindicato que representam a federação, além do aumento dos diretores para 21. Agora também, para que uma proposta seja aprovada, é necessário o aval de dois terços dos sindicatos filiados. Todos os demais pontos obtiveram consenso entre as partes.

Avaliação Dos delegados

O que foi visto no XI CONTECT foi meramente uma disputa política, os representantes da CSP-Conlutas fizeram questão de distribuir informativos alegando que votariam no bloco de oposição para provar que mesmo ganhando este bloco seria incompetente para gerir a federação e que promoveria a política do “quanto pior, melhor”. Nossas propostas nem se quer foram ouvidas, o único objetivo era impedir que qualquer coisa levantada pela “Unidade na Luta”, nosso bloco, fosse barrado, independente se trouxesse ganhos ou não para o trabalhador. Foi contraditório ver o PCO se aliando a vários agrupamentos do PT (MRL, MUTE e outros), além do PSOL, fato que, aliás, até dias anteriores ao congresso era abominado pelo PCO. Apesar das vitórias obtidas pela oposição, todas foram apertadas e com a ajuda do CSP-Conlutas, o mesmo do “quanto pior, melhor”. Mesmo sabendo da possível vitória, a oposição lutou para evitar a manutenção dos 3 (três) anos de mandato, prova de que a disputa de poder entre eles irá criar problemas para administrar a FENTECT.

Mantendo nosso compromisso com os trabalhadores capixabas, nossa diretoria manterá o seu engajamento na luta e defesa dos direitos e conquistas para os trabalhadores. Seguiremos as deliberações tomadas no congresso e intensificaremos o combate aos nossos reais inimigos, que são as políticas aplicadas pela ECT e todo sucateamento da estrutura e desvalorização dos ecetistas.

Fischer Marcelo, Glaiber Lima, Gilberto Teles, Valéria Cristina e Michele Conceição

Delegados do Espírito Santo no XI CONTECT

Rascunho

Anúncios

Audiência suspende punições do SAP


Mais um passo foi dado em direção ao fim do Sistema de Avaliação de Produtividade (SAP) na quinta-feira, dia 31 de maio. Uma nova audiência no Ministério Público do Trabalho permitiu alguns avanços na discussão sobre o SAP entre a Fentect e a ECT. Ficou acordado que: a empresa suspenderá as punições do SAP; realizará uma análise do perfil e desempenho de cada trabalhador que obteve nota ruim na avaliação; além de passar o nome dos trabalhadores que obtiveram nota ruim no SAP para a Fentect.

Nesta terceira audiência com o procurador do Trabalho Ricardo Britto, os trabalhadores não saíram totalmente satisfeitos com a proposta da empresa. A Fentect quer acabar com o SAP e não moldá-lo. Com isso, a federação continuará na luta contra esse sistema e buscará novos instrumentos para acabar com essa avaliação que agride os ecetistas de todo o Brasil.

A Fentect orienta os trabalhadores a não assinarem nenhum documento após a avaliação. E caso o trabalhador assine, faça uma ressalva de que não concorda com o resultado obtido no SAP. “O ideal seria resolver a problemática das condições de trabalho e depois verificar se cabe aplicar um sistema de avaliação. Vamos buscar outros mecanismos para barrar e tirar o SAP das nossas vidas, seja por meio da campanha salarial, do acordo coletivo e de outras alternativas na Justiça do Trabalho”, afirma o diretor jurídico da Fentect, Manoel Feitoza.