ECT confirma ataque a plano de saúde, caso ela não recue em suas intenções, somente uma grande greve pode segurar nosso plano

11037219_1010389202327513_2834793655825373269_n

Na manhã desta terça-feira, 01 de setembro a empresa apresentou sua redação para a cláusula 28 – Assistência Medica/hospitalar e Odontológica e debateu cláusula 41 – Distribuição Domiciliaria.

Como já estávamos alertando, o resultado da proposta apresentada na cláusula 28 é um amplo ataque em nosso plano de saúde com a introdução de um novo plano para os novos funcionários, com cobrança de mensalidades.
Sobre a cláusula 41 –A ECT apresentou a reedição da cláusula, o comando fez um debate sobre a necessidade de implantar 100% da entrega pela manhã, sem a burocracia e sem a criação das dificuldades impostas, principalmente na triagem por CEP, isto porque em vários locais deste país não existe se quer sistema de CEP, provocando com esta imposição um retrabalho.

Aprofundamento da reestruturação coloca distribuição em segundo plano

Também foi afirmado que a FENTECT é contrária ao DDA – Distribuição Domiciliar Alternada e o CDD Virtual onde é institucionalizado a dobra, com entregas alternadas. O objetivo da empresa é aprofundar a reestruturação, deixando a entrega domiciliar em segundo plano, não contratando funcionário e que os atuais façam trabalho duplo. Quanto ao CDD VIRTUAL, faz que os trabalhadores viajem a todas as regiões sem ganhar diárias e trabalhando com carga dupla. Uma estratégia da ECT para enxugar o número de carteiros e os custos com os trabalhadores. O resultado é trabalhador doente e perda da qualidade dos serviços.

Reafirmamos nossa pauta, reivindicando a implementação do SD com a participação dos trabalhadores, fim do SAP, fim das dobras, fim do DDA e do CDD VIRTUAL

Comando de Negociação repudia proposta da ECT de ataque ao plano de saúde

O Comando Nacional de Mobilização e Negociação deixou claro, que não aceitará ataque ao nosso plano de saúde, que a cláusula 28 apresentada representa um brutal ataque aos nossos direitos, na medida que retira o correios como gestora e prevê a migração de plano de saúde. Deixamos claro que queremos a reedição da cláusula 28 do atual acordo e não aceitamos mudanças.

Quanto a introdução de uma nova cláusula ”chamada 29” onde retira o direito dos novos, apresentando um novo plano com cobrança de mensalidade de 6,2% do salário bruto para o trabalhador e 12,98% do salário bruto, para o trabalhador, seus filhos e conjugues , sem contudo a inclusão de pais e mães , além do compartilhamento.

O comando disse um sonoro não, nenhuma resolução é superior ao acordo coletivo de trabalho, que tem força de lei . Argumento mentiroso, de quem deseja repassar 50% dos custos para os trabalhadores.

ECT adota a mesma estratégia utilizada da implantação do POSTALPREV

A estratégia e a mesma utilizada na mudança do plano BD , que passou a contratar os trabalhadores novos em um novo plano – o Postalprev. Afirmou na época que não haveria mudança com os trabalhadores antigos. O que se viu 3 anos após foi o fechamento obrigatório do Plano BD exigindo a adesão de todos ao plano Postalprev. O resultado hoje é que pagamos dois planos, o Postalprev e a cobrança extraordinária do Plano BD.

Com um salário bruto miserável, a introdução de cobrança de mensalidade no plano de saúde representa um duro ataque aos ecetistas, que agora terá de arcar com metade dos gastos do plano de saúde.

Primeiro a ECT implantou na marra o POSTAL SAÚDE, dizendo que nada mudaria e que seria a modernização do Plano de Saúde, com a introdução de cartão magnético, hoje assistimos o sucateamento do Plano de Saúde, com fechamento de ambulatório e suspensão de atendimento por falta de pagamento.
Não temos nenhum motivo para acreditar na direção da ECT, temos exemplos aos montes das formas de enganar a categoria adotada por esta direção. O objetivo final é sucatear o plano Correio Saúde forçando a migração de todos os trabalhadores ao POSTAL MAIS SAÚDE, sem pai e mãe e com cobrança de mensalidade e compartilhamento.
Assim chamamos os trabalhadores a aprovar o indicativo de greve para o dia 15 de setembro, mais do que isto devemos aprovar e construir a maior greve da categoria, que será inevitável, caso a ECT continue com estes ataques.

Vamos à luta em defesa de nosso plano de saúde, salários e benefícios dignos e por melhores condições de trabalho.

Comando Nacional de Mobilização e Negociação