SINTECT-ES realiza ato contra as ameaças da reestruturação

Apesar da pressão sofrida pelos trabalhadores para que não aderissem à paralisação nacional – inclusive ameaças de cortes do dia de trabalho e descontos no salário – a categoria ecetista capixaba foi às ruas nesta quarta (27) para lutar por uma empresa pública e de qualidade.

A mobilização nacional proposta pelo calendário de lutas da Fentect propôs defender o caráter público da ECT, bem como protestar contra o fechamento de agências no estado e os cortes e mudanças que estão prejudicando os trabalhadores. A diretoria do sindicato preparou uma carta que foi entregue à população durante o ato. Em convite ao povo para que se junte à luta em defesa da Empresa de Correios e Telégrafos – patrimônio brasileiro com mais de 350 anos – a carta evidencia os problemas sofridos pelos trabalhadores que atrapalham o bom funcionamento da empresa, comprometendo a qualidade das entregas em todo o país.

Uma carta com as principais reivindicações da categoria foi entregue à população

A categoria reivindicou ainda a revogação da cobrança extraordinária para o equacionamento do fundo de pensão dos trabalhadores ecetistas, melhores condições de trabalho e contratação imediata dos aprovados no concurso realizado no ano de 2011.

Ecetistas vão à luta no Centro de Vitória

O ato teve início na Praça Oito, no Centro de Vitória, onde os trabalhadores se concentraram antes de seguir para o prédio central dos Correios. Em frente ao prédio faixas foram estendidas e enquanto alguns trabalhadores entregavam a carta com as reivindicações da categoria às pessoas que passavam pelo local outros aproveitavam o sinal fechado para abrir faixas contra a reestruturação implementada de maneira arbitrária pela ECT.

20160427_114938

Paralisação nacional dos Correios: ecetistas capixabas na luta por uma empresa 100% pública e de qualidade

A adesão – tanto dos trabalhadores quanto da população que manifestou seu apoio – reflete uma luta que não é apenas em defesa do patrimônio brasileiro, mas de toda a classe trabalhadora.

Mais unidades sofrem ameaças de corte de energia elétrica

Na última semana o SINTECT-ES denunciou o corte de energia que ocorreu na AC São João em Cariacica e na ocasião relatou que havia denúncias de que outras unidades também estavam com as contas atrasadas. Ontem (13) foi a vez do CDD Prainha sofrer com a possibilidade de corte na distribuição de energia elétrica, no entanto após negociações o corte foi suspenso temporariamente.

ECT patrocina

O sindicato já se posicionou por meio de ofício enviado à empresa cobrando explicações e os devidos pagamentos atrasados. A diretoria do SINTECT-ES também afirma que é inadmissível que o sucateamento da atual gestão coloque em risco a integridade física e mental dos trabalhadores ecetistas expostos a situações constrangedoras como estas.

Sindicato denuncia: AC de Santa Maria de Jetibá está fechada desde março

A AC de Santa Maria de Jetibá se encontra fechada desde o dia 17 de março, devido à falta de acordo para a renovação do contrato de locação. Os trabalhadores da unidade tiveram que voltar para o antigo imóvel que foi desocupado anteriormente por não acomodar todo o quadro de funcionários de forma adequada.

Os atendentes foram enviados para outras agências, mas sem acesso ao sistema puderam apenas prestar suporte. Os carteiros tiveram que buscar cargas em outras unidades, inclusive os registrados que estavam sendo lançados em Viana (a mais de 100 km de distância do município). Em uma das viagens, um trabalhador perdeu o controle do veículo e se acidentou.

CAMERA

As obras no imóvel dos Correios ainda não foram concluídas

Atualmente a carga vem de Colatina e os atendentes retornaram, mas os registrados continuam gerando problema, pois o lançamento e baixa agora são realizados na cidade do Noroeste do estado, a 90 km de Santa Maria.

Não há previsão para reabertura e apesar da reforma do imóvel estar quase concluída, não há condições mínimas para a execução das atividades postais, em razão da falta de segurança e acesso ao sistema. As obras também não estão atendendo as normas de acessibilidade, visto que não há sequer rampa de acesso na unidade, o que prejudica o atendimento ao público. Sem mais respostas da empresa, o SINTECT-ES recebeu a denúncia e já está encaminhando as medidas necessárias para tentar resolver a situação.

Agência fica sem energia por falta de pagamento

O sindicato esteve nesta quarta-feira (06) na AC São João em Cariacica para apurar a denúncia sobre as condições de trabalho na unidade. Na tarde de ontem os trabalhadores foram surpreendidos por um corte de energia por falta de pagamento e tiveram que se deslocar para outras unidades do município. Só o que se sabe até o momento são rumores de que outras agências também estão com as contas atrasadas e podem sofrer o mesmo transtorno.

Este é o reflexo da modernização proposta na reestruturação da ECT. Ameaças não apenas aos postos de trabalho, mas às condições e à falta de estabilidade. O trabalhador não sabe nem se vai conseguir realizar o próprio trabalho.

O SINTECT-ES denuncia o absurdo da situação e aguarda o retorno da empresa para que tudo se resolva o quanto antes.

SINTECT-ES conquista na justiça redução de carga horária sem perda salarial a pai de criança com Síndrome de Down

tempo3

O SINTECT-ES, por meio de sua assessoria jurídica, garantiu a redução da

jornada semanal de 40h para 20h, sem perda salarial, a um trabalhador pai de

uma criança com Síndrome de Down.

A decisão, proferida pela juíza da Vara do Trabalho de Vitória em fevereiro

deste ano, garante ao trabalhador o acompanhamento do desenvolvimento das

habilidades motoras e cognitivas da criança bem como ressalta o compromisso

da ECT – como empresa de capital eminentemente público – com o valor social

do trabalho, a dignidade da pessoa humana e a proteção à infância.

MAIS VITÓRIAS NA JUSTIÇA

O jurídico do SINTECT-ES conseguiu na justiça a tutela antecipada para trabalhadores motociclistas de várias unidades, como: CDD Cachoeiro de Itapemirim, CDD Jardim da Penha, CDD Maruípe e CDD São Mateus. Isso significa que assim que a justiça notificar a ECT, ela terá que iniciar o pagamento do AADC em conjunto com a Periculosidade aos trabalhadores.
Informamos aos demais trabalhadores que as ações continuam tramitando na justiça e em breve divulgaremos mais vitórias para a nossa categoria.
SINTECT-ES

PLS 555 passa no Senado, mas mobilização garantiu avanços

Entre eles está o fim da obrigatoriedade de transformação das estatais em sociedades anônimas

pls55f-e1455640433510

A votação do PLS 555, na noite desta terça, 15, no Senado, após intensas mobilizações que durante meses envolveram ações por todo o Brasil, reunindo vários setores da sociedade civil, encerrou o primeiro capítulo da luta contra o projeto privatista. A pressão sobre os parlamentares feita pelo movimento sindical e social e a entrada do governo na negociação levaram à construção de um substitutivo que resultou em avanços.

Para a coordenadora do Comitê Nacional em Defesa das Empresas Públicas, Maria Rita Serrano, são pelo menos três os avanços a destacar. O primeiro é a retirada da obrigatoriedade de as empresas se tornarem sociedades anônimas; o segundo, o fim da exigência de as empresas não terem mais ações preferenciais e, finalmente, a aprovação de que o Estatuto das Estatais só será obrigatório para as empresas que tenham mais de R$ 90 milhões de receita operacional bruta. “Na comparação com o projeto original, conseguimos evoluir e brecar itens muito perigosos para as estatais. Tiramos leite de pedra, mas não acabou, a luta continua agora na Câmara dos Deputados”, afirma Rita.

Ela destaca ainda a importância da participação de senadores que se aliaram à luta contra o PLS 555, como os do PT, Lindbergh Farias, Paulo Paim, Gleisi Hoffman; do PCdoB, Vanessa Grazziotin; da Rede, Randolfe Rodrigues, e do PMDB, Roberto Requião. Entre as dezenas de entidades, as seis centrais sindicais que integram o comitê nacional, a Fenae, a FUP, Contraf e demais confederações, federações e sindicatos e categorias representados.

Os integrantes do comitê nacional farão uma avaliação geral do resultado obtido e a discussão de novas estratégias. As informações serão divulgadas neste site.

Veja, abaixo, os quatro pontos divergentes que foram debatidos no Senado. Os destaques integram as emendas de números 104 a 107, e tratam dos seguintes itens:

1 – a restrição à participação nos conselhos de administração e diretorias – que atinge trabalhadores e os que ocupam cargos de ministros e secretários de Estado;

Resultado: Destaque rejeitado.

2 – a obrigatoriedade de ressarcimento, por parte do governo, de custos com políticas públicas.

Resultado: Suprimida a restrição que havia para ´ações da empresa fora da sua atividade econômica´ ou seja, as políticas públicas.

3 – a exigência de que 25% dos membros do conselho de administração sejam independentes

Resultado: Destaque rejeitado

4 – a exigência de que as empresas comercializem no mercado 25% de suas ações.

Resultado: Destaque rejeitado

(*) nesse item houve avanços, porque o texto original englobava todas as empresas; com a mudança, vale apenas para as listadas na Bolsa de Valores.

 

ENTENDA O PROJETO

 

O chamado Estatuto das Estatais é um substitutivo ao PL 167 de 2015, do senador Tasso Jereissati (PSDB-CE), e uma referência ao PLS 343, também deste ano, do senador Aécio Neves (PSDB-MG). Sob pretexto da “transparência” na condução das estatais, o projeto traz em suas normas gerais a determinação de que “empresa pública e sociedade de economia mista serão constituídas sob a forma de sociedade anônima”. O projeto representa uma grave ameaça a Caixa, Correios, BNDES, Petrobras, empresas do setor elétrico, entre outras, e adota como premissa o modelo de Estado Mínimo, colocando em pauta a possiblidade de um recomeço nas privatizações ocorridas na década de 90.

 

Para FENTECT a luta continua junto ao trabalho desenvolvido pelo Comitê em defesa das estatais. Os trabalhos deverão ser centrados na Câmara dos Deputados onde a mobilização deverá ser intensa pra discutir os pontos que não foram consenso no Senado e prejudicial aos trabalhadores (as).

 

Conheça os apontamentos preocupantes do projeto:

http://www.diganaoaopls555.com.br/portal/diga-nao-ao-pls-555/entenda/

 

Quem quiser rever toda a sessão que votou a PL 555:

https://www.youtube.com/watch?v=9f_iJEtOnRw

Adiantar o vídeo para 4 horas.

 

Link para ver como votaram os Senadores quanto à Ementa 107, rejeitada, que

retirava as restrições a sindicalistas

http://www.senado.leg.br/atividade/rotinas/materia/getPDF.asp?t=189353&tp=1

 

Link para as emendas que foram submetidas à votação

http://www.senado.leg.br/atividade/rotinas/materia/getPDF.asp?t=189342

Fonte: FENTECT

CONSIN debate deficit às custas dos trabalhadores e sugere revisão dos dados da ECT

Categoria indaga colapso dos Correios, com cada vez mais exploração e aumento na produtividade

Enfático, o economista do DIEESE, Clóvis Scherer, abriu o Conselho de Sindicatos da FENTECT (XVI CONSIN), nesta quarta-feira (20), com a afirmação de que os números apresentados pela ECT, da situação financeira da empresa, estão defasados. O conselho reúne representantes dos 31 sindicatos filiados à federação para discutir e debater a realidade dos Correios, anunciada pela mesma como um “colapso financeiro”.

“O conselho é extremamente importante nessa hora em que vivemos, para que a categoria, reunida, possa debater e deliberar a cerca dos problemas apontados pela ECT e que acarretam tantos prejuízos às atividades de cada um. A mobilização e os esclarecimentos aos trabalhadores nos ajudam a atravessar o momento e impedir a perda de direitos e, consequentemente, do emprego”, enfatizou o secretário-geral da FENTECT, José Rivaldo, durante a abertura do evento.

Scherer destacou que o balanço apresentado pela ECT foi apenas relativo ao ano de 2014. “Anunciaram um discurso ainda mais crítico da empresa e falam em dificuldades para pagar os salários dos trabalhadores antes mesmo do mês de setembro, conforme fora anunciado pela direção da ECT”, contou.

O economista relatou que o instituto tem providenciado análises das questões levantadas pela FENTECT, para que seja possível apontar para 2016 o desempenho econômico-financeiro. “Temos dados à disposição. É importante que a categoria disponha de uma análise contábil, para que possam esmiuçar detalhes técnicos da situação da empresa, com parecer de contadores, também de assessoria jurídica, que estabeleça a obrigação da ECT na discussão, principalmente sobre as reservas anunciadas. Com esse debate, podemos contribuir de maneira mais consistente”, destacou.

Consultoria Solidária
A H&J Consultores Independentes, sem fins lucrativos, de solidariedade múltipla entre profissionais de diversas áreas de conhecimento, como admnistração, economia e informação, tem contribuído com a pesquisa da categoria para rever os dados repassados pela ECT.

“Para além do lucro, o principal papel dos Correios é social. A partir de 2014, a ECT passou a adotar novas diretrizes contábeis, que geraram aumento de provisionamento e deficit. Nossa perspectiva é trabalhar com a realidade, que pode ter sido manipulada, dependendo dos interesses que estão por trás”, afirmou o gestor da informação, Hálisson Tenório.

Ele explicou que, com base nas atas colhidas da ECT (351, com 187 descartadas), foi possível identificar, entre as demais informações, que, entre 1996 e 2014, a empresa nunca fechou o ano com resultado financeiro negativo. “Foram 18 anos sendo empresa superavitária sólida, orgulho dos brasileiros e seus trabalhadores”, destaca a pesquisa. Hálisson, no entanto, garante que apesar do deficit anunciado, o que compete aos trabalhadores realizar, tem sido feito de maneira satisfatória e o problema está na gestão.

Além disso, um estudo do ano de 2012 levantou o quantitativo necessário de 130.824 efetivos nos Correios. Na ocasião, havia apenas 117.097. Em 2014, foram contabilizados 125.319. Para 2016, o DEST delimitou o máximo de 118.624 empregados para a ECT. “Trata-se de uma regressão aos patamares de 2012 e, ainda assim, a empresa insiste em investir em novos setores”, ressalta.

Devido ao baixo efetivo da empresa e a falta de investimento na ECT e na principal força, os trabalhadores, o diretor nacional da FENTECT, Rogério Ubine relembrou, durante a apresentação “Da reestruturação do setor postal – Um olhar sobre as transformações nos Correios Alemão e Argentino”, a queda da qualidade operacional dos Correios e as despesas acumuladas, com queda no resultado líquido, que passou de R$ 148 bilhões para R$ -1.346 bilhões, conforme apresentado pela ECT aos empregados.

Para fechar o XVI CONSIN, os sindicatos presentes debateram sobre as apresentações e levantaram mais fatos sobre o deficit duvidoso e os argumentos da ECT para a possível ausência de pagamento, este ano. Como resultado, o conselho lança as deliberações e o calendário de lutas que será repassado à categoria.

Fonte: FENTECT