TST lança primeira proposta de mediação pós-greve

Como prevíamos, a proposta elaborada pelo TST remete à cobrança de mensalidade, retirada de pais e enteados da sua cobertura, além de aumento da coparticipação do empregado. Graças aos trabalhadores que aderiram à última greve, essa e qualquer outra proposta de mediação precisa passar pela avaliação da categoria. Qualquer posicionamento do sindicato na mediação só ocorrerá com o crivo dos trabalhadores, por esse motivo é fundamental a participação de todos na próxima assembleia que será divulgada nos próximos dias.

A calculator beside a stethoscope on top of paperwork

Mesmo com todas as ponderações do vice-presidente do TST, precisamos entender que nosso plano foi construído pelos trabalhadores para atender as suas necessidades. Qualquer mudança que envolva retirada de dependentes ou aumento de gasto por parte do beneficiário tem impacto acima da capacidade econômica da ampla maioria dos ecetistas.

Ademais, há um fator muito importante: o aumento salarial. Na proposta aprovada, os trabalhadores terão o ganho equivalente ao INPC que é de 2,07%, mas caso a proposta do vice-presidente passe, o empregado pagará valor superior ao que foi conquistado mesmo não fazendo uso do plano de saúde.

 

Nosso plano deve ser defendido por todos

Uma campanha salarial possui um peso diferenciado. É o momento onde uma categoria expõe suas expectativas de ganho financeiro. Nesse ano, mesmo com a postura de retirada de direitos, a maioria da categoria não compreendeu o momento e a tarefa de manutenção das cláusulas coube a poucos empregados. Ainda assim, a campanha deu o rumo que devemos seguir.

Se pretendermos manter nosso plano de saúde terá que ser na luta. Compete a cada um de nós debater, participar e construir o que desejamos. De maneira racional e lúcida, mas compreendendo o tamanho e a importância do benefício para cada ecetista poderemos construir a via necessária que garantirá que os beneficiários possam ter garantido o uso do seu direito.

Anúncios

PROPOSTA ACEITA E ESTADO DE GREVE MANTIDO NO ESPÍRITO SANTO

aaa.png

Em assembleia no dia de hoje (06), os trabalhadores decidiram pelo aceite da proposta mediada pelo TST por ampla maioria e mantiveram o estado de greve, seguindo o informe do Jurídico da FENTECT e a maioria do CNNM.
A Campanha Salarial foi exaustiva, sacrificante e árdua, mas o levante dos trabalhadores contagiou as grandes e pequenas cidades. Vários trabalhadores aderiram pela primeira vez e resistiram a todas ofensivas da ECT, a pressão do TST e até o boicote de alguns trabalhadores. Nossa greve não foi da maioria, mas foi dos que optaram por lutar e lutaram de maneira heroica e salvaram os direitos de toda categoria.

NOTA DO SINTECT-ES SOBRE A INTERVENÇÃO NO POSTALIS

O Postalis é o 4º maior fundo de pensão do país e ainda assim nos últimos anos seus beneficiários têm sido surpreendidos com taxas extraordinárias a fim de “equacionar” as contas. Questionados sobre o que causou esse desequilíbrio, a diretoria do Postalis apresentou um balanço em desacordo com os números reais e desde então a situação tem sido tratada com falta de transparência, para dizer o mínimo.

Nota Postalis

Os trabalhadores dos Correios são os mais interessados e também os mantenedores do plano de previdência complementar da categoria. A questão já foi inclusive questionada juridicamente, mas até o momento as incertezas e a cobrança abusiva de taxas para provisionamento deixam os ecetistas apreensivos.

Apesar das poucas informações a princípio, o SINTECT-ES considera positiva a intervenção ocorrida hoje (04) que afastou os diretores e conselheiros do Postalis. Toda a iniciativa de investigação para uma resposta sobre a real situação do plano é de interesse da categoria, que não suporta mais arcar com rombos causados por investimentos duvidosos feitos de maneira arbitrária. No entanto, espera-se que a intervenção não venha a onerar os trabalhadores dos Correios, mas apresentar uma solução justa para todos que ainda sonham com uma aposentadoria digna.

SEGUIMOS FIRMES

Com quase 10 dias da maior greve dos Correios nos últimos tempos, os ecetistas capixabas seguem fazendo história. Ainda que as ofensivas da empresa tenham se intensificado, como o arbitrário desconto dos dias de greve, mesmo sem negociação ou julgamento, fica claro a falta de habilidade do presidente Guilherme Campos ao tratar a justa luta dos trabalhadores.

Abuso é o Temer

Após a adesão dos estados do Rio de Janeiro, São Paulo, Maranhão e Tocantins, que se somaram aos 31 sindicatos filiados a FENTECT, a empresa demonstra desespero com o crescimento do movimento paredista, pois mesmo com os recentes ataques, os trabalhadores não arredam o pé da luta.

Hoje é inegável que chegamos a um ponto sem volta: tudo ou nada. Ceder agora, sem conquistar nada, é dar direito a esses que querem tirar tudo de nós dizendo que a coragem de lutar é um abuso.

Não é abuso resistir contra quem acha que uma mãe não tem direito de alimentar o próprio filho, como quer a ECT ao propor a exclusão de ticket na licença-maternidade. Não é abuso querer um salário digno que alimente nossas famílias. Não é abuso querer o direito de viver do nosso trabalho feito com qualidade para servir à população. Abuso é ganhar mais de R$46 mil (atual salário do presidente dos Correios), pagar mais de R$ 40 mil a cada um dos 09 vice-presidentes e ainda dizer que são os direitos dos trabalhadores que dão prejuízo à empresa.

A greve continua e cresce a cada dia, pois não há desesperança ou medo enquanto um de nós ainda estiver de pé.

Contra os abusos, por nossos empregos e em defesa de um Correio público e de qualidade: resistiremos!

A luta continua!

NOTA DO SINTECT-ES SOBRE A GREVE DOS TRABALHADORES DOS CORREIOS NO ESPÍRITO SANTO

No dia 20 de setembro de 2017 os ecetistas capixabas votaram pela deflagração de greve por tempo indeterminado em todo o estado. A escolha de luta – sendo a greve um instrumento legítimo da classe trabalhadora – se deu devido à intransigência da ECT, que mesmo com a pauta de reivindicações em mãos desde o início de agosto vem se recusando a negociar com o Comando Nacional e fazendo uso de todo tipo de manobra para emperrar as discussões e confundir os trabalhadores.

NOTA INFORME

Primeiro a empresa tentou atrelar a Campanha Salarial à mediação da Cláusula 28 no TST, referente ao Plano de Saúde da categoria. Dessa forma pretendiam ganhar tempo, prorrogando o ACT até o fim do ano, mas sem garantia de reajuste, evidenciando que só os trabalhadores cederiam (neste caso, até mesmo seu próprio direito de greve, que deveria ser evitada durante todo o período, sob pena de descumprimento de acordo, ficando a empresa respaldada para fazer seus cortes e atuar de maneira ainda mais abusiva). A proposta foi rejeitada em todo o país e diante das ameaças da ECT que só falou em exclusão de cláusulas a categoria se viu obrigada a defender seus direitos deflagrando a greve nacional dos Correios.

Em todo o país os ecetistas estão mobilizados nesta que já é a maior greve dos últimos anos. Diante da pressão causada pela paralisação dos serviços a empresa se viu finalmente obrigada a negociar, mas como estratégia tem tentado dividir os trabalhadores e não aceita se reunir com a FENTECT. Para a outra federação foi apresentada uma proposta miserável de 3% de reajuste sobre o salário e os benefícios a partir de janeiro de 2018. Esse valor não cobre sequer a inflação do período e após propor o fim dos tickets na férias, durante atestado médico, licença-maternidade, além do fim do vale-cultura, não há como saber nem se restará algum “benefício” no próximo ano.

Os Correios estão sob forte ameaça. O sr. Guilherme Campos fala em crise desde que assumiu a empresa, mas sua primeira medida foi aumentar o próprio salário e se recusa a abrir a caixa-preta das contas da ECT que não são apresentadas desde 2014. Mas ele acha que precisa matar o trabalhador de fome para sanear os Correios. Quer mexer no plano de saúde ao invés de reduzir os salários astronômicos do alto escalão. Os trabalhadores não podem confiar em quem já tentou de tudo para retirar seus direitos: manobras, ameaças, abusos. Não queremos esmola, queremos salários dignos e uma empresa decente para trabalhar!

A adesão tem crescido a cada dia e somente a intensificação da greve pode garantir que a empresa recue e negocie de maneira justa. É por cada trabalhador que teve a coragem de cruzar os braços que a empresa está recuando e aceitar qualquer migalha agora pode custar inclusive os nossos empregos, pois é evidente a tentativa de retirar benefícios para privatizar a ECT.

O SINTECT-ES convoca todos os trabalhadores e trabalhadoras do Espírito Santo a resistirem contra os abusos da atual gestão aderindo à greve, participando dos piquetes, atividades e assembleias para fortalecer a luta ecetista.

Por nenhum direito a menos: nossos empregos ficam, Guilherme Campos sai!

 

Bancários capixabas apoiam a greve dos trabalhadores dos Correios

Diretores do SINDIBANCÁRIOS-ES que realizavam uma atividade em defesa do Banestes (Banco do Estado do Espírito Santo) na Praça Oito manifestaram solidariedade à luta ecetista durante a concentração dos trabalhadores dos Correios após a realização de diversos piquetes durante a manhã desta quarta-feira (20).

ATO UNIFICADO SINDIBANCÁRIOS E SINTECT-ES

Bancários capixabas demonstraram solidariedade à greve dos trabalhadores dos Correios

Unificadas, as categorias protestaram principalmente contra os prejuízos da privatização para a população, os trabalhadores e a soberania nacional. Foram lembrados os ataques às estatais e o plano perverso de desmonte do Estado brasileiro promovido pelo governo golpista de Michel Temer.

 O SINTECT-ES aproveitou ainda para convidar a todos para a passeata que realizará amanhã em defesa dos Correios 100% público e de qualidade com concentração marcada a partir das 10h30 na antiga Capitania dos Portos, de onde os ecetistas sairão em marcha para um ato em frente ao Prédio Central dos Correios, localizado na Avenida Jerônimo Monteiro.

 

 

EDITAL DE CONVOCAÇÃO DE ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA

Sindicato dos Trabalhadores em Empresas de Correios Prestadora de Serviços Postais, Telegráficos, Encomendas e Similares do Estado do Espírito Santo – SINTECT/ES, CNPJ: 28.521.474.0001/06.

O Presidente do SINTECT-ES, no uso de suas atribuições legais e estatutárias convoca todos os trabalhadores dos Correios do Estado do Espírito Santo, associados ou não para assembleia extraordinária a realizar-se no dia 19 de setembro de 2017 no auditório do SINTRACONST-ES, sito a Rua Pereira Pinto, 37 – Centro – Vitória – ES às 18:00h em primeira convocação e em segunda convocação às 18:30h, com qualquer número de presentes para deliberar sobre a seguinte pauta: 1- Avaliação da Campanha salarial 2017/2018; 2-Deliberar sobre Greve por tempo indeterminado a partir das 00h00min do dia 20 de setembro de 2017.

Esta instância tem poderes deliberativos e as decisões tomadas atingirão todos os integrantes da categoria profissional independente do comparecimento.

Vitória-ES, 16 de setembro de 2017

Fischer Marcelo Moreira dos Santos

Presidente – SINTECT-ES

Ecetistas aprovam estado de greve no Espírito Santo

Na noite desta quinta-feira (14) os trabalhadores dos Correios aprovaram o estado de greve no Espírito Santo. Por unanimidade a categoria votou pela luta contra as ameaças da empresa e pela instituição de um desconto assistencial de 1% referente ao mês de outubro para a campanha salarial deste ano.

Enquanto o comando de negociação a ECT trava o debate baseando seu discurso em ameaças e retrocessos, propondo a retirada de direitos já conquistados e bandeiras históricas para os ecetistas, como, por exemplo, o fim da entrega matutina e a indenização por morte ou invalidez permanente. Outro absurdo é a adoção de um banco de horas que na prática significa institucionalizar a escravidão, já que a sobrecarga é realidade na vida de praticamente todos os trabalhadores, visto que não há previsão para novos concursos e os PDV’s estão a todo vapor.

12

Assembleia que aprovou o estado de greve no ES aconteceu no auditório do SINTRACONST-ES nesta quinta-feira (14)

Diante da resistência da FENTECT que orientou seus sindicatos de base a realizarem as assembleias de aprovação do estado de greve Guilherme Campos continua esperneando para que os trabalhadores aceitem a proposta de prorrogação do ACT anterior até dezembro sob o acordo de não realizar paralisações. Não é surpresa que a intimidação e do cinismo sejam recorrentes nesta gestão que sequer apresenta o balanço de suas contas, afinal transparência nunca foi o forte da turma que hoje está à frente dos Correios. A questão é: o que estão tentando esconder?

Não vamos pagar pra ver! Não vamos pagar a conta do autoritarismo de um bando de empresários que querem lucrar com nosso suor. Nossos direitos não são negociáveis e não vai ter arrego: nossos direitos e empregos ficam!

ECT ameaça e chama a categoria pra briga

Diante da rejeição da proposta que previa a prorrogação do Acordo Coletivo até dezembro, a ECT se viu finalmente obrigada a dar início às negociações coletivas e a primeira reunião deve acontecer na manhã desta terça-feira (12). Alertados sobre as armadilhas da proposta golpista que não garantia nada e ainda feria o direito de greve, ecetistas de todo o Brasil disseram NÃO a mais uma manobra dos Correios e SIM à luta.

Com essa primeira derrota a ECT subiu o tom na edição do “Primeira Hora” dessa segunda-feira (11) e usou de ameaça aos benefícios para confundir os trabalhadores e jogá-los uns contra os outros.

Não se trata de uma estratégia nova, visto que essa gestão já mostrou que não tem compromisso com o bem-estar ou o mínimo respeito aos trabalhadores, mas expõe completamente a perversidade dos planos da ECT. A máxima “juntos somos mais fortes” nunca fez tanto sentido. Em tempos que a classe política e o judiciário se mostram cada vez mais abraçados para manter seus privilégios, somente a organização da classe trabalhadora – a maior parte da população – pode barrar os retrocessos.

Enquanto tentam nos dividir e enfraquecer, pense bem, trabalhador: como confiar em uma empresa que quer pagar o mínimo para você apenas SOBREVIVER? Escolha lutar ao lado de quem não vai te trair ou se contente com as migalhas enquanto paga a conta do Guilherme Campos e sua turma.

 

capa blog

Entenda a Súmula 277 

As divergências em torno da Súmula que versa sobre a validade dos Acordos Coletivos de Trabalho é antiga, mas ganhou um novo capítulo depois que o ministro Gilmar Mendes suspendeu todos os processos e decisões trabalhistas sobre ultratividade. Por ultratividade se entende a aplicação de uma lei/acordo mesmo após o fim de sua vigência.

Anteriormente o entendimento era de que mesmo após o fim da validade do ACT as normas ali estabelecidas passavam a integrar o contrato de trabalho e não poderiam ser revogadas unilateralmente, dependendo assim de uma nova negociação. Após a liminar referendada pelo ministro em outubro do ano passado, abriram-se precedentes para novos questionamentos quanto à validade dos Acordos e é nesse vácuo que a ECT quer forçar os trabalhadores a negociar.

Se antes o trabalhador e o empregador podiam negociar em igualdade de condições, a ECT quer agora colocar a faca no pescoço da categoria, de forma a acuar os ecetistas e fazê-los aceitar o que for imposto.

Se você não quer ser refém da empresa só resta uma saída: lutar!

 

Quando a situação é grave…

Os trabalhadores já deram o primeiro passo derrotando a manobra da empresa que além de enrolar o trabalhador, não se comprometia com nada e ainda tirava o direito de fazer paralisações. Agora com as ameaças e o medo como ferramentas, não dá pra recuar. Precisamos nos mobilizar contra os ataques aos nossos direitos, empregos e salários.

Só a organização dos trabalhadores, a participação nas assembleias e greves vai frear a ânsia dos que querem nos deixar na miséria. Porque ceder agora é aceitar um futuro onde bancaremos para sempre os luxos de quem ganha os mais altos salários enquanto os nossos mal sustentam nossas famílias e ainda pagam um plano de saúde cada vez mais precário.

Vamos juntos contra o cinismo dos patrões!

ASSEMBLEIA PARA APROVAÇÃO DO ESTADO DE GREVE

Data: 14/09 (quinta-feira)

Hora: 18h

Local: Auditório do SINTRACONST-ES

EDITAL DE CONVOCAÇÃO DE ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA

Sindicato dos Trabalhadores em Empresas de Correios Prestadora de Serviços Postais, Telegráficos, Encomendas e Similares do Estado do Espírito Santo – SINTECT/ES, CNPJ: 28.521.474.0001/06

O Presidente do SINTECT-ES, no uso de suas atribuições legais e estatutárias convoca todos os trabalhadores dos Correios do Estado do Espírito Santo, associados ou não para assembleia extraordinária a realizar-se no dia 14 de setembro de 2017 no auditório do SINTRACONST-ES, sito a Rua Pereira Pinto, 37 – Centro – Vitória – ES às 18:00h em primeira convocação e em segunda convocação às 18:30h, com qualquer número de presentes para deliberar sobre a seguinte pauta:

1 – Aprovação do Estado de Greve, com indicativo de Greve por tempo indeterminado a partir da 00h 00min do dia 20 de setembro de 2017;

2 – Instituir desconto assistencial para a campanha salarial 2017/2018;

3 – Informes gerais.

Esta instância tem poderes deliberativos e as decisões tomadas atingirão todos os integrantes da categoria profissional independente do comparecimento.

 Vitória – ES, 08 de setembro de 2017

Fischer Marcelo Moreira dos Santos

SINTECT/ES